Voltar ao Blog
Tempo
Quando se é jovem não se pensa em morrer, mais tarde quando se começa a sentir o peso da idade a noção de mortalidade torna-se mais evidente, mas à medida que vamos envelhecendo tornamo-nos mais verdadeiros, o melhor e o pior de nós vem ao de cima, ora a nossa arrogância ora as nossas inseguranças.
Imagino pelo que observo que temos consciência que somos já realmente velhos quando não nos importamos com o que nos rodeia quando só o nosso mundo importa, quando a nossa liberdade pode invadir a liberdade dos que nos rodeiam sem nenhuma preocupação do que possam pensar.
Vem isto a propósito de quê? Pois vem a propósito de algumas conjecturas que tenho feito sobre a democracia e os resultados das últimas eleições europeias. Parece que os políticos já estão naquela fase da vida em que também eles não se importam com o que os rodeia e não têm nenhuma preocupação com o que 75% da população possa pensar. Esta situação torna-me pessimista porque me faz pensar que tal como a vida isto só pode acabar mal com a diferença que não sabemos como vai acabar.
O que sabemos é que continuarão a fazer tudo o que lhes é possível para não alterar nada ao que tem sido feito com o auxílio dos bancos centrais, tal como manter os bancos que são grandes demais para falir, a ter demasiada dívida e a planificar o nosso futuro na base de estatísticas demasiado manipuladas.
Fomos evoluindo ao longo destes anos de crise para um sistema de socialização desta finança ‘too big to fail’, e não existe indicação alguma do que será diferente quando formos confrontados com a próxima crise. Na realidade, um documento da Comunidade Europeia a que a Reuters teve acesso, propõe que as poupanças dos 500 milhões de europeus seja usada para financiar a economia em projectos de longo prazo, mobilizando as pensões.
A política actual está cheia de contradições, procura-se garantir tudo o que é possível eliminando o risco, ao mesmo tempo procuram-se novos empreendedores que assumam risco. Assume-se que os mercados financeiros são locais de risco, mas os Estados promovem a criação de produtos sem risco. A todos isto parece normal, certamente pela complexidade do tema. Todos entenderiam que se se quisesse promover campeões de fórmula Um a primeira medida não poderia ser limitar a velocidade a 30 km/hora.
Garantir parece ser a palavra-chave deste milénio. De acordo com o que já se sabia, não se conseguiu garantir que a taxa Libor não fosse manipulada, não se conseguiu garantir que o mercado Forex fosse manipulado e não se garantiu também que o mercado de metais preciosos nomeadamente o ouro não fosse também manipulado.
O regulador Inglês acaba de aplicar uma multa de 26 milhões de libras pela manipulação do ‘fixing’ do ouro.  O ‘Financial Times’ escreveu que desde 2008 a banca de investimento global já pagou mais de 100  mil milhões em acordos extra judiciais a reguladores.
Estas foram as manipulações ilegais. A manipulação que os bancos centrais fazem para manter o sistema financeiro em funcionamento, para evitar deflação e garantir inflação é por enquanto uma manipulação legal. Teremos tempo para ficar cínicos antes de ficarmos velhos?

AVISO LEGAL: A informação aqui apresentada é apenas para fins informativos e não constitui uma recomendação de investimento, convite ou oferta para realizar qualquer operação ou transacção. Esta informação não é um reflexo de posições (própria ou de terceiros) firme dos participantes nos mercados de valores. A DIF Broker não tem em conta objetivos de investimento específicos ou situações financeiras particulares. Também não faz qualquer declaração ou assume qualquer responsabilidade sobre a confiabilidade das informações fornecidas ou perda decorrente de investimentos realizados. Este conteúdo é puramente informativo, portanto, não deve ser utilizado para valorizar carteiras ou ativos, nem servir de base para recomendações de investimento. Para os fins informativos deste blog, as decisões de investimento tomadas com base neste conteúdo são da exclusiva responsabilidade do investidor. As operações feitas em seu nome seguindo as recomendações de uma análise, em investimentos particulares e sem limitação, e alavancados, como o comércio de câmbio e investimento em derivados pode ser muito especulativo e, portanto, gerar lucros, mas também perdas. Antes de fazer um investimento ou efectuar uma transacção, deve considerar a sua situação financeira e consultar o seu / s conselheiro / s financeiros / s, a fim de compreender os riscos e considerar se é apropriado à luz da sua situação. Todas as opiniões expressas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O conteúdo pode mostrar a opinião pessoal do autor que pode não reflectir a opinião da DIF Broker.
Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida dinheiro devido ao efeito de alavancagem.
79% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor.
Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.