Voltar ao Blog
Risco e Conjuntura

Desde a nossa mais tenra idade que todos, sem excepção, somos condicionados a não correr riscos. Os pais, a escola aconselham-nos a que não se corram riscos e a fazer as coisas de forma segura. Afinal de contas o risco, tal como está convencionado na nossa sociedade, só tem um lado e esse lado é o mau.

Infelizmente este, como outros condicionamentos do nosso crescimento enquanto cidadãos, não passa com um passe de mágica, pelo que nos permitimos fazer um diagnóstico e uma sugestão para o País Portugal.

As finanças do País têm que ser entendidas por todos, mas de forma simples, para que todos os possam compreender. A economia do País ou a economia de uma familia é a mesma coisa, guardadas as proporções, no entanto as pessoas pensam que o Estado tem um défice porque gasta mais do que o que recebe, sabendo muito bem que no seu agregado a mesma situação não é considerada um défice mas sim um problema.

Façamos o exercicio de explicar de forma simples conceitos simples, que por força do progresso nos levaram a afastar-nos do bom senso.

O Porto de Londres precisava, em 1970, de 108 homens e 5 dias de trabalho para descarregar um barco de madeira. Hoje são precisos 8 homens e um só dia para realizar o mesmo trabalho. A isto chama-se progresso. Ganhos de produtividade, aumento da tecnologia, e aumento de desemprego.

Muitos outros exemplos poderiam ser dados, de actividades que por completo desapareceram, de que são evidências, a de fotocompositor, que eram pessoas que há ainda 15 anos copiavam os textos de jornais e revistas em máquinas fotocompositoras e que simplesmente desapareceram porque hoje os textos dos jornalistas já não precisam de ser copiados. A actividade do corretor de Bolsa é hoje uma actividade em vias de extinção, com o advento das plataformas tecnológicas por internet que permitem aos investidores serem os seus próprios corretores.

A mudança é pois um factor constante da evolução da humanidade, podendo mesmo dizer-se que é a única coisa que permanece.

As pessoas sabem, apesar de não o reconhecerem, que a mudança é a regra fundamental da vida. Logo, as resistências à mudança não são naturais. Para ser mais claros ainda, se a mudança é a única constante, então a incerteza é a variável natural. Pouco natural é a surpresa com que a maioria da população convive com a incerteza, sabendo como se sabe que a vida é imprevisivel.

A solução está numa maior assunção de riscos, porque tomar riscos é aceitar a mudança, aceitar a realidade e por essa razão, assumir riscos é a forma mais segura de aceitar a mudança.

É fundamental fazer entender às pessoas a necessidade de compreender o risco, porque este pode ser um factor altamente produtivo.

Os empresários de sucesso sabem que o risco é uma vantagem competitiva para ser usada, e não um obstáculo para ser evitado.

O Português entende como natural procurar o seu interesse próprio, melhorar a sua condição de vida, aumentar o seu poder de compra. Conceitos económicos elementares que devem conduzir à prosperidade. Curiosamente o conceito de capital fora destes parâmetros não é compreendido. Veja-se a publicidade do Euromilhões que procura atingir com precisão a natureza do consumidor: ‘’Criar excêntricos’’. Não é criar empresários, ou banqueiros, ou promover riqueza, é tão sómente criar consumidores e elevados ao padrão de excêntricos, ou seja, sem razoabilidade.

É aqui que deve ser feito o maior esforço por parte do Estado, porque só uma população capaz de criar riqueza é capaz de alterar o rumo dos acontecimentos.

A situação económica realça , sobretudo, o esgotamento do modelo de desenvolvimento baseado no consumo.

Seguramente estamos no limiar de importantes transformações, o que confere enorme responsabilidade às lideranças politicas e aos diversos sectores económicos, a quem cabe assumir a vanguarda na condução de propostas concretas para o desenvolvimento económico.

Pensamos que passada a fase de controle da fuga ao fisco, deve ser desencadeado um amplo projecto de ampliação do investimento nas empresas privadas de pequena e média dimensão com perspectivas de crescimento, incentivando o capital de risco.

É fundamental que o investimento directo em empresas fechadas esteja associado a um projecto de investimento efectivo por parte dessas empresas e à abertura dos seus capitais.

A discussão do modelo, deve contemplar as relações entre os diversos agentes económicos e centrar-se em particular nas relações capital nacional- capital estrangeiro, Estado- sector privado, e capital – trabalho.

Até aqui temos tido uma economia caracterizada por uma actuação fortemente paternalista do Estado que não tem os resultados previstos quando são consideradas as desigualdades existentes.

Se queremos modernizar a organização económica da sociedade Portuguesa, devemos, em principio, questionar a natureza das relações e procurar os meios para um efectivo progresso do País.

O momento da sociedade Portuguesa exige que as respostas aos problemas ultrapassem as questões imediatas. Parece-nos no entanto que se deve basear num sector privado forte e ampliado na sua base, por uma diminuição da presença do Estado e por um padrão superior de participação da população nos ganhos das empresas.

O Governo espera resolver os actuais problemas com a iniciativa privada, o Presidente faz apelo a um maior assumir de risco por parte da iniciativa privada, mas o País está preso nos seus movimentos porque não existe um fluxo adequado de poupança para o sector produtivo, que se reflecte na pequena dimensão das empresas e na sua permanente escassez de liquidez.

AVISO LEGAL: A informação aqui apresentada é apenas para fins informativos e não constitui uma recomendação de investimento, convite ou oferta para realizar qualquer operação ou transacção. Esta informação não é um reflexo de posições (própria ou de terceiros) firme dos participantes nos mercados de valores. A DIF Broker não tem em conta objetivos de investimento específicos ou situações financeiras particulares. Também não faz qualquer declaração ou assume qualquer responsabilidade sobre a confiabilidade das informações fornecidas ou perda decorrente de investimentos realizados. Este conteúdo é puramente informativo, portanto, não deve ser utilizado para valorizar carteiras ou ativos, nem servir de base para recomendações de investimento. Para os fins informativos deste blog, as decisões de investimento tomadas com base neste conteúdo são da exclusiva responsabilidade do investidor. As operações feitas em seu nome seguindo as recomendações de uma análise, em investimentos particulares e sem limitação, e alavancados, como o comércio de câmbio e investimento em derivados pode ser muito especulativo e, portanto, gerar lucros, mas também perdas. Antes de fazer um investimento ou efectuar uma transacção, deve considerar a sua situação financeira e consultar o seu / s conselheiro / s financeiros / s, a fim de compreender os riscos e considerar se é apropriado à luz da sua situação. Todas as opiniões expressas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O conteúdo pode mostrar a opinião pessoal do autor que pode não reflectir a opinião da DIF Broker.
Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida dinheiro devido ao efeito de alavancagem.
79% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor.
Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.