Voltar ao Blog
Miopia

Enquanto os EUA incentivam a criação de empresas globais que dominem as principais tecnologias a ser utilizadas pelas populações, a Europa divide e tenta criar empresas de menor dimensão.

Não há fome que não dê em fartura. Depois do pior Dezembro em 87 anos, o mês de Janeiro registou a melhor performance dos últimos 30 anos, com os principais índices de acções mundiais a valorizarem 7%.

Na sequência das fortes correcções no último trimestre de 2018, reapareceram os fantasmas de uma forte correcção como aquela a que assistimos com a bolha tecnológica ou do imobiliário, suportadas na retirada de estímulos por parte da maioria dos bancos centrais. Muitos investidores, assustados com as quedas acentuadas, venderam as suas acções. Certo é que o maior dinamismo que os bancos centrais assumiram nos últimos anos está para ficar, e não há dúvida que todos estão preocupados com o que se passa nos mercados, com a excepção, talvez, dos políticos, que entregaram essa tarefa aos bancos centrais.

A correcção do mercado americano desde os seus máximos em mais de 20%, criou oportunidades de investimento aos investidores que ficaram de fora das valorizações dos últimos anos, principalmente nas empresas tecnológicas.

O aparente consenso entre Trump e Jeremy Powell, presidente da FED, que culminou num jantar entre ambos, contribuiu para aumentar a segurança entre os investidores que a FED irá ter atenção a futuras subidas de taxas de juro tendo, em conta o aumento dos riscos para a economia americana.

Assim, entramos com o pé direito no novo ano chinês, o Ano do Porco, altura em que mais de 400 milhões de pessoas viajam para celebrar esta festividade, protagonizando assim maior migração da história da humanidade. Quando comparamos com o Dia de Acção de Graças, que origina 54 milhões de viagens, percebemos onde está o futuro e o porquê da importância das negociações entre EUA e China, que extravasam os acordos comerciais. A China prepara-se para dominar a economia mundial, com a ajuda da Europa.

A decisão tomada esta semana pela Comissão Europeia (CE), de vetar a fusão entre a Siemens e a Alstom, que criaria um campeão mundial na indústria ferroviária, põe a nu a miopia e a incapacidade de pensar estrategicamente a longo prazo, ao defender os campeões europeus. Ao negar esta fusão, a CE limita a capacidade das empresas europeias competirem a nível global, principalmente quando estas precisam de se expandir noutros mercados, como o chinês, onde enfrentam uma competição feroz. É o caso da CRRC, empresa que fabrica e faz a manutenção de comboios chineses, cujo capital é detido na sua maioria pela SASAC, holding do governo chinês que gere as empresas estatais.

Este é mais um dos exemplos das diferenças entre EUA e Europa. Enquanto os primeiros incentivam a criação de empresas globais que dominem as principais tecnologias a ser utilizadas pelas populações, a Europa divide e tenta criar empresas de menor dimensão. Fica por saber quem terá de pagar as importações chinesas ou americanas quando as empresas europeias não conseguirem vingar por falta de massa crítica.

É esta mudança de paradigma que falta à Europa e que será sufragada este ano. Ou se apresenta como um interveniente a nível mundial, ou será colonizada.

AVISO LEGAL: A informação aqui apresentada é apenas para fins informativos e não constitui uma recomendação de investimento, convite ou oferta para realizar qualquer operação ou transacção. Esta informação não é um reflexo de posições (própria ou de terceiros) firme dos participantes nos mercados de valores. A DIF Broker não tem em conta objetivos de investimento específicos ou situações financeiras particulares. Também não faz qualquer declaração ou assume qualquer responsabilidade sobre a confiabilidade das informações fornecidas ou perda decorrente de investimentos realizados. Este conteúdo é puramente informativo, portanto, não deve ser utilizado para valorizar carteiras ou ativos, nem servir de base para recomendações de investimento. Para os fins informativos deste blog, as decisões de investimento tomadas com base neste conteúdo são da exclusiva responsabilidade do investidor. As operações feitas em seu nome seguindo as recomendações de uma análise, em investimentos particulares e sem limitação, e alavancados, como o comércio de câmbio e investimento em derivados pode ser muito especulativo e, portanto, gerar lucros, mas também perdas. Antes de fazer um investimento ou efectuar uma transacção, deve considerar a sua situação financeira e consultar o seu / s conselheiro / s financeiros / s, a fim de compreender os riscos e considerar se é apropriado à luz da sua situação. Todas as opiniões expressas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O conteúdo pode mostrar a opinião pessoal do autor que pode não reflectir a opinião da DIF Broker.
* Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 89% de contas de investidores de retalho que perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este fornecedor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.