Voltar ao Blog
Inflação ou estagflação

Ser economista é estar a discutir se estamos actualmente a atravessar um periodo de inflação ou de estagflação. Para os não economistas a diferença estará em saber se temos inflação com crescimento económico ou inflação sem crescimento económico. Os bons economistas saberão, como sempre à posteriori, dizer-nos em qual destas situações estamos. Os não economistas terão que tomar decisões hoje, não podem esperar pelo facto consumado e para isso terão que estar atentos, ter bom senso e ser bons observadores.

O Financial Times titula que ”o espectro da inflação está de volta à economia global”, mas a FED e o seu presidente estão, paradoxalmente, a combater a deflação. Só assim se compreendendo que estejam a emprestar dinheiro a taxas que são metade da taxa de inflação. Esta não é a forma clássica de se combater a inflação porque quando Volcker (antigo presidente do FED) o experimentou as taxas de juro subiram aos 2 digitos. Bernanke, na última reunião do FED, deixou as taxas nos 2% por isso deve estar a ver deflação no horizonte.

Os não economistas estão atentos e constatam que o petróleo subiu 42% este ano, o gaz natural 76% o milho 58%, os metais 30% em média, o leite o arroz, o barbeiro.., tudo. As subidas estão nas matérias primas, o que faz com que esta inflação seja global não deixando nenhum país imune a esta realidade. Não é coincidência. A inflação é agora global porque a moeda de reserva mundial que é o dolar americano com a sua constante depreciação, tem efeitos negativos no sistema financeiro e agora na economia mundial. Porque razão está a moeda a depreciar perguntar-se-ão alguns. A resposta está na injecção permanente de liquidez que os bancos centrais têm feito para evitar o colapso do sistema financeiro, sendo que no caso do FED são utilizados todos os mecanismos possiveis para o fazer de modo a que não seja muito evidente aos olhos do publico.

Para se perceber como funcionam estas coisas entre moedas é preciso saber que os países têm neste momento 2 problemas: o primeiro é a subida da inflação nas suas economias locais, o segundo é a exposição ao dolar. Do Brasil à China os consumidores estão a sofrer os efeitos da inflação, na energia, nos transportes na alimentação. Alguns destes países têm as suas moedas indexadas à moeda americana com o intuito de venderem os seus produtos mais baratos nos Estados Unidos. Com este mecanismo vendem mais produtos mas, simultaneamente, ficam com mais dolares o que é mau. Neste momento alguns destes países estão literalmente sentados em cima de uma montanha de dolares, pelo que estão demasiadamente expostos ao risco da desvalorização do dolar e da valorização das matérias primas.

O caso do petróleo é conclusivo. Os gráficos do petróleo e do US $ são exactamente o inverso, o que demonstra que um dolar fraco determina um petróleo caro, e que o aumento das matérias primas são só o resultado da inflação monetária patrocinada pelo governo Americano.

O Morgan Stanley fez um relatório dizendo que se o FED não subir as taxas brevemente pode desencadear outro acontecimento ainda mais catastrófico. Isto demonstra que existe muita gente que reconhece o problema mas poucos conhecem a solução para ele.

AVISO LEGAL: A informação aqui apresentada é apenas para fins informativos e não constitui uma recomendação de investimento, convite ou oferta para realizar qualquer operação ou transacção. Esta informação não é um reflexo de posições (própria ou de terceiros) firme dos participantes nos mercados de valores. A DIF Broker não tem em conta objetivos de investimento específicos ou situações financeiras particulares. Também não faz qualquer declaração ou assume qualquer responsabilidade sobre a confiabilidade das informações fornecidas ou perda decorrente de investimentos realizados. Este conteúdo é puramente informativo, portanto, não deve ser utilizado para valorizar carteiras ou ativos, nem servir de base para recomendações de investimento. Para os fins informativos deste blog, as decisões de investimento tomadas com base neste conteúdo são da exclusiva responsabilidade do investidor. As operações feitas em seu nome seguindo as recomendações de uma análise, em investimentos particulares e sem limitação, e alavancados, como o comércio de câmbio e investimento em derivados pode ser muito especulativo e, portanto, gerar lucros, mas também perdas. Antes de fazer um investimento ou efectuar uma transacção, deve considerar a sua situação financeira e consultar o seu / s conselheiro / s financeiros / s, a fim de compreender os riscos e considerar se é apropriado à luz da sua situação. Todas as opiniões expressas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O conteúdo pode mostrar a opinião pessoal do autor que pode não reflectir a opinião da DIF Broker.
Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida dinheiro devido ao efeito de alavancagem.
79% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor.
Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.