Voltar ao Blog
Estratégia

Com as maiores companhias de pagamentos e as empresas tecnológicas ligadas à internet domiciliadas nos EUA, é fácil perceber de que lado está a vantagem negocial.

As recentes tensões comerciais entre os Estados Unidos da América e o mundo têm-se revelado verdadeiros quebra-cabeças para os investidores, que navegam ao sabor de tweets. Aliás, analisando a evolução da cotação do Twitter, concluímos que foi uma das acções mais beneficiadas com a eleição de Trump, ao acumular uma valorização superior a 120% nesse período.

Com efeito, a nova forma de comunicação obriga à adaptação dos algoritmos, dos investidores e dos cidadãos, uma vez que têm de estar conectados para poderem tomar decisões sobre investimento.

A incerteza relativa ao desfecho das várias frentes de batalha na guerra comercial começa a penalizar os mercados financeiros. A influência de Trump é global, abrangendo desde empresas a países e até blocos económicos. A título de exemplo, a Harley Davidson avisou que pode deslocalizar parte da sua produção para fora dos EUA, por forma a evitar sanções económicas, nomeadamente da Europa.

A resposta de Trump não se fez esperar e, utilizando o nacionalismo americano para defender os empregos, avisou que a empresa pode defraudar os seus clientes e pagar impostos “nunca antes vistos”. Ao nível dos países, temos a Turquia como exemplo. Ao pretender adquirir um sistema de defesa russo, o departamento de Estado americano informou este país que poderá ser alvo de sanções por querer fazer negócios com a Rússia.

No caso do Irão, depois da reviravolta do acordo assinado pelos EUA, pende agora a ameaça sobre empresas europeias, como a Total, da suspensão do sistema de pagamentos internacional. Ou seja, se estas empresas não deixarem de negociar ou de investir no Irão, poderão não conseguir investir noutros países.

Em relação à China, por ser mais relevante, Trump tem um discurso aparentemente agressivo, mas que é suavizado ao mínimo sinal de impacto nos mercados financeiros americanos, como se viu esta semana.

Mas Trump também não tem medo dos blocos económicos, ameaçando a União Europeia com taxas de 20% sobre os carros exportados para os EUA, caso esta não recue na retaliação que fez depois da imposição de taxas sobre o aço e o alumínio da União Europeia. O resultado não se fez esperar com fortes quedas nas acções das construtoras automóveis europeias.

Esta estratégia negocial, onde aparentemente todos perdem, é enganadora. Se os parceiros comerciais dos EUA, ou seja, as empresas e os mercados financeiros europeus e chineses, desvalorizarem mais do que os mercados americanos, então os EUA já ganharam, uma vez que o seu peso aumenta em termos relativos.

Com as maiores companhias de pagamentos, como a Mastercard, a Visa, a Amex ou a Paypal, ou as empresas tecnológicas ligadas à internet, domiciliadas nos EUA, sabemos de que lado está a vantagem negocial.

Esta ameaça, pouco relativizada até agora, deve ser levada a sério, e motivar a União Europeia a debater a verdadeira integração, criando uma alternativa à dependência e à chantagem. Será que estamos perante mais uma oportunidade perdida?

AVISO LEGAL: A informação aqui apresentada é apenas para fins informativos e não constitui uma recomendação de investimento, convite ou oferta para realizar qualquer operação ou transacção. Esta informação não é um reflexo de posições (própria ou de terceiros) firme dos participantes nos mercados de valores. A DIF Broker não tem em conta objetivos de investimento específicos ou situações financeiras particulares. Também não faz qualquer declaração ou assume qualquer responsabilidade sobre a confiabilidade das informações fornecidas ou perda decorrente de investimentos realizados. Este conteúdo é puramente informativo, portanto, não deve ser utilizado para valorizar carteiras ou ativos, nem servir de base para recomendações de investimento. Para os fins informativos deste blog, as decisões de investimento tomadas com base neste conteúdo são da exclusiva responsabilidade do investidor. As operações feitas em seu nome seguindo as recomendações de uma análise, em investimentos particulares e sem limitação, e alavancados, como o comércio de câmbio e investimento em derivados pode ser muito especulativo e, portanto, gerar lucros, mas também perdas. Antes de fazer um investimento ou efectuar uma transacção, deve considerar a sua situação financeira e consultar o seu / s conselheiro / s financeiros / s, a fim de compreender os riscos e considerar se é apropriado à luz da sua situação. Todas as opiniões expressas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O conteúdo pode mostrar a opinião pessoal do autor que pode não reflectir a opinião da DIF Broker.
Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida dinheiro devido ao efeito de alavancagem.
86% das contas de investidores de não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor.
Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.