Voltar ao Blog
Índices bolsistas, o que são?

Quando abordamos o tema dos índices bolsistas, inevitavelmente, somos obrigados a falar sobre Charles Dow, o responsável pela criação do primeiro índice bolsista do mundo: o DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE.

Em 1882, quando Charles Dow trabalhava para o jornal Wall Street Financial News Bureau, o então director dessa publicação solicitou-lhe ajuda para a contratação de um jornalista. A sua selecção recaiu em Edward Davis Jones.

Em 1893, os dois fundaram a agência noticiosa Dow, Jones & Company que iniciou a publicação de um sumário de duas páginas sobre notícias financeiras, onde também aparecia o índice Dow Jones Stock Average, composto então por 9 companhias ferroviárias, 1 empresa de correios e uma empresa marítima. Tal índice permitia aos leitores acompanhar de forma agregada a evolução do mercado americano.

Em 1889, através da empresa Dow, Jones & Company, fundaram o ainda existente e mundialmente reconhecido Wall Street Journal. Em 1896, iniciaram a publicação do primeiro e um dos mais importantes índices mundiais: o Dow Jones Industrial Average (DOW 30). No seu arranque, o índice era constituído por apenas 12 empresas, actualmente 30, tendo-se tornado de imediato popular para os leitores de notícias financeiras. A forma de cálculo do índice era muito simples: somavam-se as cotações das 12 empresas e dividia-se por 12. O primeiro preço foi de 40,94, muito distante dos actuais 26 536,82 pontos (cotação a 26 de Junho de 2019).  A metodologia deste índice designa-se por: Ponderado pelo Preço; no entanto, existem índices com outras metodologias.

Ao contrário do índice bolsista DOW 30, o índice S&P 500 é ponderado pela capitalização bolsista de cada empresa constituinte. Na seguinte tabela, vamos utilizar um exemplo para ilustrar as distintas metodologias:

Assim, imaginemos que temos três empresas: a XYZ, a ABC e a EFD. Todas são admitidas à cotação em bolsa no momento 0, com os preços por acção de 12,1; 8,1; e 5,9, respectivamente. Igualmente, suponhamos que o número de acções emitidas por estas empresas são mil, 2 mil e 3 mil, respectivamente.

Desta forma, podíamos construir um índice tipo DOW 30, somando os preços (12,1 + 8,1 + 5,9) ÷ 3, iniciando o índice com 8,7 pontos, aplicando a metodologia Ponderação Preço. Neste caso, a empresa mais importante do índice seria a empresa XYZ, pois trata-se da empresa com o preço mais elevado.

Se desejássemos construir um índice tipo S&P 500, em lugar de somar os preços, teríamos de somar as capitalizações bolsistas (preço multiplicado pelo número de títulos). Assim, o índice iria começar em 46 pontos (12 100 + 16 200 + 17 700 = 46 000), assumindo que 1000 euros correspondem a 1 ponto. Neste caso, a empresa com o maior impacto é a empresa EFD, dado que possui a maior capitalização bolsista (17 700). A título ilustrativo, a empresa Apple tinha um peso de cerca de 10% no índice NASDAQ 100 no dia 27 de Junho, ou seja, a sua capitalização bolsista representava 10% da capitalização de todo o índice.

A terceira metodologia, evolução do preço, é implementada através da média das rendibilidades. No nosso exemplo, no período 1, a cotação da empresa ABC subiu 17% (9,5÷8,1 -1), enquanto que a XYX subiu 11% e a EFD 22%. Assim, a média das rendibilidades foi de 17%. Assim, o índice iria subir de 100 para 117%.

Por outro lado, importa analisar o impacto dos eventos empresariais na cotação de uma dada empresa e, claro está, no valor do índice.  Vamos supor que a empresa XYZ pagou um dividendo de 1 euro no final do período 3, nesse caso, a sua cotação seria 11,4, em lugar de 10,4. A maior parte dos índices mundiais não corrige estas situações, pelo que o pagamento de dividendos faz cair “artificialmente” o valor dos índices. Caso o índice corrija esta situação, designamo-lo por “Total Return”. Caso aplicássemos esta correcção, os valores para os três métodos seriam distintos no final do período 3, tal como detalhado seguidamente:

·       Capitalização bolsista

o   Capitalização bolsista XYZ: 11 400

o   Total da capitalização bolsista: 58 900

o   Valor do índice: 58,9 pontos

·       Preço:

o   Preço XYZ: 11,4

o   Preço médio: 10,2 (11,4 + 9,8 + 9,3)

o   Valor do índice: 10,2 pontos

·       Evolução do preço:

o   Evolução do preço XYZ: -15%

o   Média das rendibilidades: 6 (-15 + 3 +29) ÷ 3

o   Valor do índice: 122,4 pontos

O DAX 30, o principal índice alemão é um exemplo de um índice “Total Return” que pondera as empresas constituintes de acordo com a capitalização bolsista.

Por último, importa comentar a revolução que os contratos de futuros trouxeram à negociação de índices. Em 1982, a bolsa de futuros Chicago Mercantile Exchange, ou CME com sede em Chicago nos Estados Unidos, lançou um contrato Futuro em que o activo subjacente era o índice S&P 500. Porque representou uma revolução? Até esse momento, os índices apenas serviam para medir o desempenho de um determinado mercado financeiro, tendo em conta um conjunto de empresas constituintes do mesmo. Se um determinado investidor quisesse replicar o índice era obrigado a comprar todas as acções do mesmo, assignando o seu investimento de acordo com a ponderação do índice.  Ou seja, nunca podia negociar directamente o índice. Com o advento dos contratos de Futuros tal limitação cessou de existir, passando a ser mais uma classe de activos em que se pode investir e passou ao mesmo tempo a ser um instrumento de protecção.

 

 

 

 

 

 

AVISO LEGAL: A informação aqui apresentada é apenas para fins informativos e não constitui uma recomendação de investimento, convite ou oferta para realizar qualquer operação ou transacção. Esta informação não é um reflexo de posições (própria ou de terceiros) firme dos participantes nos mercados de valores. A DIF Broker não tem em conta objetivos de investimento específicos ou situações financeiras particulares. Também não faz qualquer declaração ou assume qualquer responsabilidade sobre a confiabilidade das informações fornecidas ou perda decorrente de investimentos realizados. Este conteúdo é puramente informativo, portanto, não deve ser utilizado para valorizar carteiras ou ativos, nem servir de base para recomendações de investimento. Para os fins informativos deste blog, as decisões de investimento tomadas com base neste conteúdo são da exclusiva responsabilidade do investidor. As operações feitas em seu nome seguindo as recomendações de uma análise, em investimentos particulares e sem limitação, e alavancados, como o comércio de câmbio e investimento em derivados pode ser muito especulativo e, portanto, gerar lucros, mas também perdas. Antes de fazer um investimento ou efectuar uma transacção, deve considerar a sua situação financeira e consultar o seu / s conselheiro / s financeiros / s, a fim de compreender os riscos e considerar se é apropriado à luz da sua situação. Todas as opiniões expressas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O conteúdo pode mostrar a opinião pessoal do autor que pode não reflectir a opinião da DIF Broker.
Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida dinheiro devido ao efeito de alavancagem.
79% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor.
Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.