Voltar ao Blog
Factos e ilusões

Parece que o presidente Chinês Hu Jintao quando questionado sobre que opinião tinha relativamente à Revolução Francesa de 1789 respondeu que ainda era cedo para ajuizar sobre o tema.
Concorde-se ou não com Hu Jintao, que nos pode considerar  imaturos, vamos arriscar e reflectir sobre a crise iniciada em 2007.
Se bem me lembro… tudo começou com uma crise financeira que alastrou à economia real, transformando-se numa crise económica. Esta crise teve como consequência imediata a desvalorização da grande maioria dos activos financeiros e do imobiliário, levando em seguida ao aumento do desemprego.
Os governos decidiram então intervir para resgatar o sistema financeiro, mas com isso agravaram as contas publicas que já não estavam em bom estado, obrigando a uma inevitável subida de impostos, quer directos quer indirectos.
Mesmo assim, com um maior esforço de todos os contribuintes, a consequência é a crise soberana em todos os países ocidentais, apesar do enfoque neste momento estar só na Grécia, na Irlanda e em Portugal. E depois da soberania vem a crise social, já visível nos países em crise declarada.
Os mais atentos já perceberam, também, que nos Estados Unidos o programa de criação de dinheiro designado por QE2 foi um fracasso. Este programa acaba no final do Junho e o imobiliário não recuperou e o emprego também não. Em contrapartida, verdade seja dita, a bolsa valorizou quase 50%, permitindo pelo menos aos que têm poupanças no mercado não sofrerem. Infelizmente são poucos, muito poucos.
Ainda sobre a situação americana, não deixa de ser curioso que depois de imprimirem 100 mil milhões de dólares por mês para pagarem parte dos 150 mil milhões de défice que o governo tem mensalmente, o consigam fazer a taxas que estão a menos de 3% na dívida a 10 anos, os níveis mais baixos das últimas três gerações, apesar da inflação estar a 5% se considerarmos modelos de cálculo do ano 2000, (oficialmente é de 3,16%).
Estes são factos. Falemos agora de ilusões.
É uma ilusão neste momento afirmar que o emprego é um problema temporário por causa da crise. Não é! O desemprego é um problema estrutural e crónico.
É uma ilusão afirmar que a facilidade de acesso ao crédito vai resolver os problemas da economia. Não é! O crédito é que precisa de ser eliminado, pelo menos para montantes que sejam sustentáveis.
É uma ilusão pensar que a economia está a recuperar ou vai recuperar quando estamos dependentes de taxas de juro baixas e que não podem subir para que possa haver uma esperança de crescimento do PIB.
É uma ilusão pensar que os contribuintes vão continuar a pagar todos os aumentos de despesa criados pelo Estado, quando o modelo económico está a forçar o limite da sustentabilidade do Estado Social.
É uma ilusão pensar que a economia pode ter uma solução com base no modelo actual de crescimento perpétuo (nada é perpétuo), e continuado aumento dos níveis de vida sustentado no crédito.
Estas ilusões como todas as ilusões devem ser assumidas o mais rapidamente possível para que se possa pensar numa solução alternativa para o problema.
Uma ilusão é isso mesmo, uma ilusão.

AVISO LEGAL: A informação aqui apresentada é apenas para fins informativos e não constitui uma recomendação de investimento, convite ou oferta para realizar qualquer operação ou transacção. Esta informação não é um reflexo de posições (própria ou de terceiros) firme dos participantes nos mercados de valores. A DIF Broker não tem em conta objetivos de investimento específicos ou situações financeiras particulares. Também não faz qualquer declaração ou assume qualquer responsabilidade sobre a confiabilidade das informações fornecidas ou perda decorrente de investimentos realizados. Este conteúdo é puramente informativo, portanto, não deve ser utilizado para valorizar carteiras ou ativos, nem servir de base para recomendações de investimento. Para os fins informativos deste blog, as decisões de investimento tomadas com base neste conteúdo são da exclusiva responsabilidade do investidor. As operações feitas em seu nome seguindo as recomendações de uma análise, em investimentos particulares e sem limitação, e alavancados, como o comércio de câmbio e investimento em derivados pode ser muito especulativo e, portanto, gerar lucros, mas também perdas. Antes de fazer um investimento ou efectuar uma transacção, deve considerar a sua situação financeira e consultar o seu / s conselheiro / s financeiros / s, a fim de compreender os riscos e considerar se é apropriado à luz da sua situação. Todas as opiniões expressas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O conteúdo pode mostrar a opinião pessoal do autor que pode não reflectir a opinião da DIF Broker.
Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida dinheiro devido ao efeito de alavancagem.
86% de contas de investidores de retalho que perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este fornecedor.
Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.