Voltar ao Blog
Crise ou não crise eis a questão

Se existe uma coisa boa que se pode retirar desta crise é certamente o facto de os países desenvolvidos compreenderem melhor agora os problemas económicos dos países subdesenvolvidos, e sobretudo compreenderem melhor os impactos das terapias habitualmente impostas pelo FMI quando chamado a intervir.

Por outras palavras, creio que esta crise está a dar um banho de humildade aos países desenvolvidos. Por países desenvolvidos entenda-se os países ricos, hoje por hoje os países mais endividados.

Entre os países desenvolvidos e mais endividados, pelo menos os Estados Unidos e o Reino Unido já não conseguem ocultar a sua preocupação relativamente ao risco de vir a sofrer inflação ou, pior ainda, hiperinflação.

Os Estados Unidos têm um défice fiscal que ronda os 12.8% do PIB e que não pode reduzir-se nas actuais condições do ciclo. Estes problemas fiscais traduzem-se numa divida pública de 100% do PIB o que aliado à crise coloca a prazo a moeda em risco.

É certamente a gravidade da situação que leva ao nível de desinformação existente neste momento, e é a consciência dos seus impactos que leva o CEO da Goldman Sachs a afirmar que está a fazer o trabalho de Deus, um trabalho de responsabilidade social.

Este ano 115 bancos abriram falência nos Estados Unidos, em 2008 foram 25 e em 2007 só 3. No entanto, para o grande público a crise já acabou ou está a acabar. Ainda recentemente o Hypo Real Estate, um dos principais bancos alemães, teve que ser totalmente nacionalizado. Nos Estados Unidos, o CIT o maior banco financiador das pequenas e médias empresas abriu falência depois de já ter recebido 3 mil milhões em auxílios. Não se pode ter a certeza que é impossível um novo Lehman Brothers. O CIT agora falido sem parangonas nos jornais é a 6ª maior falência bancária nos Estados Unidos.

Aparentemente os governos salvaram a humanidade do colapso, mas fomos salvos de quê, é a pergunta que faz agora uma pequena minoria. Não estão os governos muito mais endividados agora? Isso não era mau e mesmo crucial para um crescimento sustentado da economia? E as familias não estão piores?

O desemprego não está a taxas de 10%? Em Espanha não está nos 20%, é isto o resultado da operação salvar a economia, é assim que se salvou o mundo do ”flagelo” do desemprego?

A realidade é que muito pouco foi feito porque muito pouco se poderia fazer. De verdadeiramente palpável existe o salvamento dos grandes bancos, esses foram salvos sem alguma dúvida, e na esteira da operação de salvamento, ficaram com acesso a crédito a custo zero, juntaram um estatuto de intocável e aumentaram quota de mercado.

Os americanos empossaram um controlador geral do programa TARP (700 mil milhões disponiveis para a banca com necessidades) de seu nome Neil Barosfsky. São dele as seguintes palavras: ‘’A decisão do governo americano de suportar os bancos colocou a economia numa situação de risco agravado. Estes bancos, grandes demais para falir, são hoje ainda maiores, pelo que potencialmente o risco é maior hoje que há um ano.’’

AVISO LEGAL: A informação aqui apresentada é apenas para fins informativos e não constitui uma recomendação de investimento, convite ou oferta para realizar qualquer operação ou transacção. Esta informação não é um reflexo de posições (própria ou de terceiros) firme dos participantes nos mercados de valores. A DIF Broker não tem em conta objetivos de investimento específicos ou situações financeiras particulares. Também não faz qualquer declaração ou assume qualquer responsabilidade sobre a confiabilidade das informações fornecidas ou perda decorrente de investimentos realizados. Este conteúdo é puramente informativo, portanto, não deve ser utilizado para valorizar carteiras ou ativos, nem servir de base para recomendações de investimento. Para os fins informativos deste blog, as decisões de investimento tomadas com base neste conteúdo são da exclusiva responsabilidade do investidor. As operações feitas em seu nome seguindo as recomendações de uma análise, em investimentos particulares e sem limitação, e alavancados, como o comércio de câmbio e investimento em derivados pode ser muito especulativo e, portanto, gerar lucros, mas também perdas. Antes de fazer um investimento ou efectuar uma transacção, deve considerar a sua situação financeira e consultar o seu / s conselheiro / s financeiros / s, a fim de compreender os riscos e considerar se é apropriado à luz da sua situação. Todas as opiniões expressas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O conteúdo pode mostrar a opinião pessoal do autor que pode não reflectir a opinião da DIF Broker.
Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida dinheiro devido ao efeito de alavancagem.
86% de contas de investidores de retalho que perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este fornecedor.
Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.