Quando a Europa salva os bancos, quem paga?